Esaote Clinical Solutions

Diagnóstico

A Esaote tem como objetivo fornecer diagnósticos precisos e confiáveis para satisfazer qualquer necessidade clínica. Soluções integradas para gestão de imagem e dados garantem um fluxo de trabalho seguro e organizado.

Aplicação de ultrassom em dermatologia

 

Necessidade Clínica

Avaliar corretamente lesões de pele benignas e malignas na derme, epiderme e no tecido subcutâneo, além de vasos de sangue próximos da pele. Uma medição precisa da espessura da pele e uma avaliação das estruturas internas da pele podem fornecer informações relevantes no que diz respeito ao desempenho de procedimentos cirúrgicos ou não cirúrgicos, terapêuticos, tratamentos cosméticos e acompanhamento de paciente.

 

Aplicações Cínicas

I. Tumores de pele benignos e malignos


Fig. 1 Fases do melanoma.

  • No caso de más-formações e tumores vasculares, a tecnologia de ultrassom permite a diferenciação de lesões com aumento de fluxo sanguíneo de lesões com baixo fluxo, um fator importante na hora do diagnóstico.
  • Oferece suporte a diagnósticos clínicos e estadiamento local de tumores epiteliais, ajudando a detectar as extremidades do tumor.
  • Uma ferramenta útil para monitorar tratamentos de crioterapia ou terapia fotodinâmica.
  • Diferencia melanomas com uma espessura de Breslow maior que 1 mm, e permite a detecção de locais de metástase.


Fig. 2 Metástase de gânglios linfáticos de um melanoma onde são visíveis a rigidez integral da lesão e a falta de áreas moles.

II. Aumento de gânglios linfáticos

Os gânglios linfáticos têm uma estrutura elástica na qual o córtex tende a ser menos rígido que a cápsula e o hilo. Para avaliar a rigidez de um gânglio linfático, é utilizada tecnologia de elastografia para classificar nodos em 4 ou 5 categorias diferentes. Gânglios benignos aumentados tendem a ser moles, e gânglios malignos tendem a ser mais rígidos.

III. Doenças nas unhas

A avaliação de condições de saúda nas unhas com ultrassom permite que o usuário observe patologias localizadas sob a placa ungueal sem a necessidade de remoção cirúrgica, permitindo um diagnóstico e uma resposta de tratamento mais precisos.

Fig. 3 Unha normal (corte transversal).
P – placa ungueal
Bd – leito ungueal
PH – falange distal

Fig. 4 Tumor vascular sob a unha.
P – placa ungueal
T – tumor vascular
E – erosão na falange distal

Fig. 5 Tumor vascular sob a unha com Doppler de cor.

IV. Doenças inflamatórias na pele

A determinação do estágio inflamatório ou do estágio inativo/de cicatrização de uma inflamação cutânea produzida por doenças autoimunes é fundamental para determinar o tratamento de um paciente.

  • O ultrassom de alta frequência permite que o usuário determine até que ponto as infecções cutâneas bacterianas atingiram camadas de pele mais profundas e guie a drenagem do abscesso.
  • A tecnologia permite a detecção de hiperqueratose dentro da epiderme, inflamação do tecido inferior e aumento de fluxo sanguíneo em verrugas virais.
  • A inflamação afeta a rigidez da pele e as estruturas do anexo.
  • A elastografia pode fornecer informações relevantes que não são visíveis com ultrassom de Modo B.
  • Suporte ao usuário na detecção da doença e na resposta ao tratamento, permitindo uma boa diferenciação entre os estágios de uma doença.


Fig. 6 Elastografia da morfeia (M). Pode ser observado um aumento na rigidez da interface dérmica/subdérmica da placa quando comparada com o tecido envolvente.

V. Dermatologia cosmética

Os preenchimentos cosméticos apresentam um conjunto de padrões sonográficos que permitem que o usuário detecte e identifique o tipo de preenchimento que foi usado e ofereça suporte a ações futuras no caso de complicações causadas por esses agentes. O ultrassom também é uma ferramenta relevante na avaliação da resposta da pele a tratamento a laser, mesoterapia e terapia fotodinâmica.

Benefícios Clínicos

  • Tecnologia não invasiva em tempo real, adequada a uma grande variedade de aplicações.
  • O ultrassom de alta frequência permite que o usuário disponha de uma resolução excepcional na distinção de ecos.
  • Diferenciação clara entre estruturas que fornecem suporte clínico durante o diagnóstico, o acompanhamento e o tratamento.
  • Uma solução econômica, adequada a profundidades, áreas e pacientes diferentes (de adultos a pacientes pediátricos).
  • Doppler de potência aumentada (até 16,7 MHz) para mais sensibilidade na detecção de baixo fluxo.

 

 

Se você gostou deste livro branco, consulte o livro branco Ultrassom de pele: Onde os MHz podem fazer a diferença disponível no nosso site.

Dê uma olhada em nossas soluções

A tecnologia e as funcionalidades dependem do sistema e da configuração. As especificações estão sujeitas à mudança sem aviso prévio. A informação pode se referir a produtos ou modalidades ainda não aprovados em todos os países. As imagens do produto são apenas ilustrativas.
Para obter mais detalhes, entre em contato com o seu representante de vendas da Esaote.

This page uses cookies. Visiting this web site, you approve the use of cookies. For more information about the use of cookies in this web site, please click on “More information”. I agree More information